Agenda

Pode-se queimar a biblioteca de Alexandria. Acima e além dos papiros, existem forças: a faculdade de reencontrá-las nos será tirada por algum tempo, mas não se suprimirá a energia delas. E é bom que desapareçam algumas facilidades exageradas e que certas formas caiam no esquecimento; assim, a cultura sem espaço nem tempo, e que nossa capacidade nervosa contém, ressurgirá com maior energia. (Artaud, Antonin – O teatro e seu duplo)

É importante possuir agendas. A palavra agenda é muitas vezes utilizada como um registro de compromissos e tarefas, mas a origem da palavra vem do latim agere que significa agir. Sendo assim, uma agenda é mais que um registro de compromissos, mas um manifesto pessoal de compromisso com a ação, com o realizar.

Essa agenda nasceria no começo do mês, quando o objetivo seria cruzar nossos projetos pedagógicos com a ações culturais da cidade. Até então, o foco era criar uma agenda em tempos de ataques à Cultura e ativação de propostas culturais diversas – a criação pessoal de mapas artístico-culturais por espaços, atividades e manifestações. Tudo implodido na semana passada e precisamos, hoje e dia-a-dia, recriar não só os percursos, mas os mapas.  

Nós, do departamento de Projetos e Produção Cultural do Oswald de Andrade, desejávamos que a agenda, Turista aprendiz – a agenda (do) Cultural, fosse um recurso que possibilitasse a elaboração de uma galeria pessoal de vivências (expográficas, interativas, expositivas), tendo a cidade como vetor de materialização. Ainda desejamos, mas hoje os desejos estão em suspensão perto das necessidades.

Temos atualmente quatro objetivos:

  • Compartilhar produções que estão surgindo neste cenário – exposições, sites de compartilhamentos de filmes, apresentações musicais online etc. Sabemos que essa é uma medida paliativa para o setor cultural, pois a maioria destas produções demandam a presença física dos espectadores.
  • Cruzar essas produções com nossas propostas escolares quando possível.
  • Ser um equipamento online que divulgue produções, espaços e atividades para que, depois dessa situação, possamos reviver essas propostas e espaços culturais.  
  • Começar a criar uma rede de pessoas e propostas que possam usar o Oswald, no futuro, como um equipamento cultural, tal como já usam Barbatuques, Nau de Ícaros e outros coletivos culturais.

Esse último objetivo surgiu recentemente, quando grupos artísticos já sinalizam a sua dissolução em curto prazo ou espaços culturais que podem fechar em poucos meses neste cenário. Desta forma, precisamos nos compromissar em colaborar no que for possível para que propostas e seus respectivos grupos simplesmente não deixem de existir. O primeiro passo é deixar nossa agenda permanentemente ocupada e ativa. Depois agir com exatidão para propiciar que grupos possam voltar para a normalidade – primeiro divulgando o que estão fazendo agora e posteriormente com novas ações culturais.

Divulgaremos sistematicamente propostas culturais diversas, mas também queremos escutar a comunidade oswaldiana – saber de atividades culturais que tenham conhecimento, grupos e ações atuais que estão sendo mobilizadas atualmente. Mantenham o canal aberto com o Cultural do Oswald de Andrade (cultural@colegiooswald.com.br) para que possamos ter essas informações e divulgar essas manifestações. 

Temos os porquês (dessa semana), mas precisamos mobilizá-los, remobilizá-los e assim diariamente.

Departamento de Projetos e Produção Cultural

A política feita por mulheres negras é também semente de uma nova forma de fazer política. “Por outras imaginações políticas” trata da mudança narrativa e estética promovida por mulheres negras na política, forjando novas utopias. A conversa conta com a presença da feminista Vilma Reis, da filósofa Katiúscia Ribeiro, da personagem do filme Renata Souza, da ativista e deputada estadual Erica Malunguinho, da codiretora do filme Éthel Oliveira e tem mediação da pesquisadora e professora Tatiana Carvalho. Este encontro aprofunda as questões acerca da produção audiovisual e das ações antirracistas que acontecem no Brasil.

É a vez das mulheres negras nos cargos de poder e decisão. Um bate-papo com a Dra. Rilma Hemetério, a primeira presidente negra do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região.

As convidadas Silvia Leite e Creuzamar de Pinho discutem a posição da mulher negra na sociedade atual. Elas discutem sobre soluções para representatividade feminina e formas de respeitar a luta das mulheres.

A filósofa política Djamila Ribeiro e a comunicóloga Rosane Borges participaram do debate de lançamento de Mulheres, Raça e Classe, livro mais importante da intelectual e ativista Angela Davis.

Um site liderado por mulheres negras na política institucional, fortalecendo a democracia brasileira e usando como estratégia a superação da falta representatividade de mulheres negras nas instâncias de poder. Pautando temas para a construção de uma sociedade a partir da ampla participação de mulheres negras na democracia.

Nesse episódio foi debatida a presença do negro nas artes: a falta de representatividade, os estereótipos e as práticas claramente racistas, como o black face. Licínio Januário, ator, produtor e CCO da Wolo TV, é o nosso convidado e fala sobre o processo de descoberta de voz e vez do negro na produção audiovisual atual.

O programa falou sobre cinema negro, seus desafios, a descolonização no olhar e a representatividade no cinema e audiovisual. A nossa entrevista de hoje é com Kalor Pacheco, jornalista, realizadora audiovisual e artista multidisciplinar

Filme brasiliense que conta histórias de mulheres negras, dirigido por Edileuza Penha e premiado em festival internacional. Conquistou júri da 25ª edição do Festival É Tudo Verdade. Produção venceu na categoria melhor curta-documentário.

Entre os meses de setembro e novembro, A Mostra de Cinemas Africanos apresenta a nova edição do Cine África, com vários títulos de ficção e documentários, alguns inéditos no Brasil. O projeto online e gratuito traz 12 sessões (dez longas e dois programas de curtas) – todos legendados em português – com filmes de destaque de Burkina Faso, Camarões, Egito, Etiópia, Nigéria, Quênia, Senegal e Sudão, e outras atividades. Todas as quintas-feiras, a mostra estreia um filme novo, que ficará disponível por uma semana na plataforma, acompanhado de uma entrevista exclusiva com seu diretor ou diretora. As exibições serão realizadas no site da plataforma Sesc Digital.

Documentário humano, narrativo e poético com várias camadas que desvelam o racismo estrutural que está impregnado nas relações familiares, nos ambientes de trabalho e faz parte da subjetividade das pessoas negras e brancas. Herança da escravidão permanece presente até os dias de hoje. O Brasil foi o último país do mundo a abolir o trabalho escravo.

Ana Helena Passos e Déborah Monteiro, do Instituto Ella Criações Educativas, em conjunto com a Ação Educativa, realizaram um debate sobre os atuais desafios das relações raciais e a crítica à branquitude, com a psicóloga Ivani Oliveira, parceira do IELLA. Nesse dia, também aconteceu o lançamento do livro “Um Estudo sobre Branquitude no Contexto de Reconfiguração das Relações Raciais no Brasil”, de Ana Helena Passos, Editora Oyá.

Lia traz provocações sobre os privilégios simbólicos e materiais da branquitude e nos convida a refletir qual a responsabilidade e o lugar do branco na luta antirracista. Lia Vainer Schucman é Psicóloga Social e Ativista Antirracista. Doutora em Psicologia Social pela USP, com estágio de Doutoramento no Centro de Novos Estudos Raciais pela Universidade da Califórnia, traz em sua bagagem dois livros: “Entre o encardido, o branco e o branquíssimo: branquitude, hierarquia e poder na cidade de São Paulo” e “Famílias Interraciais: tensões entre cor e amor”. Atualmente, é professora na UFSC e pesquisadora de Psicologia e Relações étnico-raciais, além de referência nos estudos sobre Branquitude.

Este encontro objetiva refletir sobre conceitos e práticas envolvidos na discussão das relações raciais brasileiras, em específico aqueles nos quais a discussão centraliza o lugar do branco nessas relações. A partir de teorias sociais sobre branquitude, educação antirracista e os reflexos na produção e difusão artística, o encontro pretende lançar um olhar para a construção social do Brasil, problematizando o lugar de privilégio do grupo coletivo branco em detrimento a outros grupos raciais. O encontro é um convite a refletir sobre as produções de subjetividades, bem como articular sobre posturas antirracistas.

Com Petronilha B. G. e Silva, Professora Emérita da UFSCar. Pesquisadora do NEAB/UFSCar. Milita junto ao Movimento Negro Brasileiro. Com Lia Vainer Schucman, doutora em Psicologia Social pela USP, com estágio de Doutoramento no Centro de Novos Estudos Raciais pela Universidade da Califórnia. Professora do Departamento de Psicologia da UFSC. Com Naruna de Lima Costa, atriz, cantora, diretora e compositora. Sua atuação se caracteriza pela valorização poética das periferias paulistanas e da presença negra no cenário cultural. Apresentação e mediação de Fabiano Maranhão, Mestre em Educação pela UFSCar, membro do NEAB-Núcleo de Estudos Afro Brasileiros da UFSCar e assistente técnico da Gerência de Estudo e Programas Sociais do Sesc – São Paulo.

Nesta aula, o professor Kabengele Munanga retoma alguns aspectos gerais sobre o racismo para, posteriormente, abordar a questão particularizando o negro ao recorrer aos seguintes subtemas: O outro, sob o título: “No início era o outro bem diferente da gente — o nós e os outros”, mantendo, ainda neste item, de maneira ampla, a questão da diferença; seguem-se as considerações sobre o significado da palavra raça, a discussão sobre a palavra racismo, seguida de reflexões sobre a relação entre racismo e diferença. Biologização das línguas, cultura e criminalidade é um dos subtítulos da parte que discute inicialmente aspectos relativos à raça ariana, seguida de considerações sobre culturas negra, branca e amarela, e sua racialização. “Como explicar a diversidade biológica humana” é outro item que aborda aspectos biológicos vinculados à raça.

No canal do YouTube “Fala, diversidade!” você poderá assistir a um potente encontro para debate sobre “Branquitude, Racismo e Subjetividade’’, que contou com a mediação de Cynthia Ciarallo e a participação das convidadas Jeane Saskya Campos Tavares e Lia Vainer Schucman.

Programa que debaterá temas como o privilégio branco, a criação do conceito de raça e a falsa ideia de neutralidade racial  A nova temporada do programa Entrevista vai debater desigualdade racial e violências contra a população negra sob um novo prisma: a branquitude e a responsabilidade da população branca na manutenção do racismo no Brasil. A série “Entrevista – Branquitude” estreia no próximo dia 05 de outubro (segunda-feira), às 20h45, no canal Futura.

”Todo mundo sabe que o racismo existe no Brasil, mas ninguém se acha racista”, diz Djamila Ribeiro.

O que deve ser feito por quem quer combater o racismo? Autora do “Pequeno Manual Antirracista”, a filósofa Djamila Ribeiro fala sobre este tema em entrevista à BBC News Brasil e analisa os protestos contra violência policial contra negros no Brasil e nos Estados Unidos. Djamila está na lista da BBC de 100 mulheres mais influentes e inspiradoras do mundo.

A professora Drª. Robin Di Angelo, da Universidade de Washington, autora do livro “Fragilidade Branca: por que é tão difícil para os brancos falarem sobre racismo”, explica o fenômeno e discute como os brancos podem desenvolver a capacidade de se envolver de maneira mais construtiva.

O canal ‘’Gestão de Cooperativas’’ separou dicas sobre alimentação saudável, compostagem e plantações. Assista a live apresentada por Diego Blum e Fabiana Sanchez.

O “Jornal de Negócios’’ lançou este ano a grande iniciativa Negócios Sustentabilidade 20 | 30, planeada há 10 anos e que tem como objetivo reconhecer, inspirar, promover e divulgar o trabalho de empresas e instituições, de Norte a Sul do País, que se distingam por boas práticas de sustentabilidade. Esta é uma iniciativa dedicada a promoção e incentivo de práticas de sustentabilidade nas vertentes social, ambiental e econômica. Realiza-se dia 23 de setembro, às 15h00, e conta com a presença do Ministro do Ambiente e da Ação Climática, que fará a abertura institucional.

A live tem como objetivo Sensibilizar os profissionais da Educação acerca da importância do trabalho com os princípios da Agenda 2030 e dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável.

No novo episódio da websérie Alimentação #EmCasaComSesc, sobre o ditado “juntar a fome com a vontade de comer”. Afinal, quem já não ouviu a famosa frase, seja para comer algo que realmente desejamos ou quando já não dá mais para segurar aquela fome? Tessa Cristine, nutricionista do @SescSP, fala sobre como o nosso corpo responde à necessidade fisiológica e emocional quando o assunto é comida.

“Experiência: Yoga”, com a educadora Carolina Marques, no YouTube do Sesc Avenida Paulista. Nos dias 21 e 23/09, Carolina trabalhou com os temas “Àsanas e Meditação”.

É uma plataforma (app) que ajuda a achar produtores de alimentos durante a pandemia. Criada pelo Idec, a ferramenta favorece a alimentação saudável e dá apoio à economia local em meio à crise causada pelo novo Covid-19. O objetivo é facilitar o acesso dos consumidores a alimentos saudáveis e sustentáveis durante a pandemia do novo coronavírus. Ao fazer uma busca na ferramenta, os usuários descobrem iniciativas de agricultura familiar, pequenos produtores e sistemas de produção orgânica e agroecológica em todas as regiões do Brasil. Em resumo, a plataforma conecta quem produz e quem consome. Para acessar a plataforma, clique aqui.

Para tratar de um dos temas mais importantes no setor florestal, a sanidade das florestas plantadas, a Embrapa Florestas e a Apre trazem, neste 7º Workshop Embrapa Florestas/Apre, palestrantes que são referências na área de cuidados silviculturais, monitoramento, estimativas e cenários de perdas não planejadas e as experiências das empresas florestais em como se organizar para proteção das florestas plantadas. Neste ano, atendendo os protocolos de enfrentamento à COVID-19, o evento será realizado via Web, quando teremos uma grande oportunidade de troca de informações. Programação do dia 22 a 24 de setembro de 2020. 

Para mais informações sobre a programação e inscrições, clique para acessar o site do evento.

Live sobre alimentação, nutrição e sustentabilidade. 

No Canal da Bela, você encontra dicas sobre alimentação, receitas deliciosas e saudáveis, além de conteúdos sobre um estilo de vida sustentável. O objetivo é ensinar sobre uma rotina mais saudável, por meio de informações, conselhos e questionamentos. 

Acompanhe a programação: vídeos quinzenais às quartas, 20h. 

Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra está organizado em 24 estados nas cinco regiões do país. No total, são cerca de 350 mil famílias que conquistaram a terra por meio da luta e da organização dos trabalhadores rurais. Tem como objetivo dimensão nacional; as famílias assentadas e acampadas organizam-se numa estrutura participativa e democrática para tomar as decisões no MST.

Não deixem de acompanhar a série Comida de Verdade, que trata de todos os âmbitos do sistema produtivo baseado em agricultura familiar e agroecologia. 

O Guia Alimentar para a População Brasileira promove a alimentação saudável com vistas à segurança alimentar e educação nutricional dos brasileiros. Diante das transformações sociais vivenciadas pela sociedade, que impactaram sobre suas condições de saúde e nutrição, fez-se necessária a apresentação de novas recomendações. Foi escrito com vocabulário claro, objetivo e simples, visando a fácil compreensão pela população geral.

A Cia. foi criada em 2004 com a proposta de unir as linguagens de Teatro, Dança, Animação de Objetos, Música e Artes Plásticas, além de investigar novos materiais na confecção de bonecos, adereços e cenários, criando novas possibilidades cênicas. Com a coordenação e direção de Anie Welter (ex-XPTO e Pia Fraus), tem como integrantes atores, bailarinos e artistas plásticos, atuando em um processo de pesquisa colaborativo. O grupo está realizando neste período de quarentena o Festival Noz em Casa, no qual disponibiliza todo domingo, às 16h, em seu canal de YouTube, um dos espetáculos de seu repertório, que conta com trabalhos como Cocô de Passarinho, ganhador do prêmio APCA de 2013, Sem + nem menos e Oras Bolas. Todos são ótimas alternativas para assistir e brincar com as crianças.

Durante a quarentena, o Grupo Corpo vai liberar parte de seus espetáculos pela plataforma de streaming Vimeo. O Corpo foi formado em 1975 por Marcelo Pederneiras, em Belo Horizonte, e, desde lá, ganhou notoriedade pela produção artística rica em elementos brasileiros e pela relação colaborativa com diversos artistas de múltiplas linguagens.

O Teatro Oficina vem disponibilizando em seu canal de YouTube algumas de suas montagens teatrais e, para começar, já está no ar o vídeo da peça Os Sertões, apresentado em 2002 pela companhia. Vale ainda ressaltar a campanha de arrecadação de fundos que o espaço vem desenvolvendo para manutenção de suas atividades, que ficaram comprometidas em meio a paralisação por conta do COVID-19.

No ano de 2000, o bailarino, diretor e coreógrafo João Andreazzi resolveu rebatizar sua Companhia, que existia desde 1995, para CORPOS NÔMADES. Todos os trabalhos. buscam experimentar as amplas possibilidades de atuação cênica corporal, envolvendo múltiplas linguagens, além da própria dança contemporânea, como teatro, literatura, videoarte, música e instalações performáticas. A Companhia está disponibilizando, em seu canal do YouTube, o espetáculo Hotel Lautréamont – Os Bruscos Buracos do Silêncio, inspirado na obra do poeta Isidore Ducasse (1846-1970), o conde de Lautréamont, um dos precursores do surrealismo na literatura. Os intérpretes são zoomorfizados, beirando o animalesco, assim como seus personagens.

A companhia artística canadense disponibilizou online parte do seu espetáculo Kurios: Cabinet of Curiosities. Por estes links podemos ver o espetáculo, mas também outros vídeos do cotidiano e processo artístico do grupo.

A cia. teatral compartilha conosco a obra “Monstruário”. A peça é dirigida Eric Nowinski,  professor de Teatro do FII e Médio do Oswald, e também conta com alguns ex-alunos no elenco e produção do espetáculo.

A importante companhia de dança disponibiliza durante esse período de quarentena os vídeos dos espetáculos Nó; 4 por 4; Cruel; Tatyana; Belle; e Cão sem plumas, para você assistir gratuitamente na sua casa.

Ao atualizar o sentido de uma das maiores histórias de amor da humanidade, Gabriel Villela e o Galpão transpõem a tragédia de dois jovens apaixonados para o contexto da cultura popular brasileira, evocada por elementos presentes no cenário, nos adereços, na música e na figura do narrador, que rege toda a peça com uma linguagem inspirada em Guimarães Rosa e no sertão mineiro.

O espetáculo de dança contemporânea, que tem coreografia da panamenha Marlyn Attie e que conta com música ao vivo, fala da potência do desejo, de suas tensões e de seus desdobramentos. O espetáculo apresenta um diálogo que contamina tanto o universo sonoro como o do corpo em movimento, dando passos para uma poética multissensorial.

Diversos artistas e educadores, neste momento de reclusão, têm desenvolvido e disponibilizado apresentações e atividades online especiais para crianças. Dentre elas, as contações de história são uma opção extremamente enriquecedora, que contribuem para a Educação Infantil. Além disso, projetos como De Criança para Criança exploram recursos audiovisuais para a construção do conhecimento.

Mariana é escritora, contadora de história e cantora. Vem proporcionando em seu instagram, diariamente, lives em que conta histórias para crianças. Vale a pena conferir.

O grupo surgiu do encontro das educadoras Flora Barcellos, Flora Poppovic, Marina Siqueira e Kallu Whitaker, que, vindo de caminhos diferentes, encontraram na Cultura Popular o espaço para confluência entre educação, teatro, música e dança. Partindo de uma história, os encontros se desenrolam como um novelo e esse fio vai sendo tecido a partir de cantigas, acalantos, brincos e brinquedos da cultura da infância, bordados com mitos, lendas, manifestações e folguedos da Cultura Popular Brasileira.

De Criança Para Criança é um programa multimodal que integra as modalidades verbal, visual, gestual e sonora, no qual as crianças trabalham coletivamente para a produção de animações, participando ativamente do processo. As crianças criam histórias, desenham os personagens e cenários, além de narrarem as animações, assumindo o protagonismo das tarefas. A partir de 2018, o Projeto Guri – programa sociocultural mantido pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, que oferece, nos períodos de contraturno escolar, cursos relacionados a música – foi convidado a fazer a musicalização de parte da produção.

Projeto criado em 2015, por Flávia Scherner, tem destaque por apresentar conteúdos que contemplam histórias indígenas, afro-brasileiras, de mulheres, além de temas delicados como a morte e o abuso sexual infantil.

Projeto realizado pela autora de livros infantis, Emília Nuñez, que tem o propósito de difusão da literatura infantil.

A versão brasileira do MinuteEarth, o Minuto da Terra é um canal com vídeos curtos, com animações de até 3 minutos sobre meio ambiente. A ideia é ensinar crianças e adultos de maneira divertida e bem humorada. São quase 200 vídeos que tiram dúvidas e ensinam ciência e história sobre o planeta e universo. Por meio dos vídeos, é possível entender melhor questões como “De onde veio a água da Terra?” e “Como descobrir a idade de um planeta?”.

O programa da TV Cultura teve um episódio completo sobre a autora Tatiana Belinky. Com contações de história, músicas e brincadeiras sobre as obras e a vida da autora, vale a pena ver o programa completo!

Outro programa da TV Cultura com um episódio especial dedicado a autora. Conta com contações de história, brincadeiras, poemas e histórias da autora musicadas pela cantora Fortuna, além de uma entrevista especial do Júlio com o autora.

O Projeto vai apresentar um conjunto de 26 produções brasileiras voltadas para a primeira infância selecionadas pela Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro para serem apresentadas em seu canal online. São filmes para crianças e/ou criados por crianças. A escolha das obras foi realizada em parceria com o Dia Internacional da Animação e do projeto CINEAD/LECAV da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro. A mostra se organiza em dois grupos: Animações e Minutos Lumière. Além disso, serão apresentados um conjunto de vídeos com os curadores apresentando a seleção e contextualizando as obras para o público.

Um passeio mágico, divertido educativo é um passeio virtual no Borboletário Águias da Serra, o maior borboletário privado do País (onde foi gravado o filme do Carrossel!), e vamos presenciar o primeiro vôo de um grupo de borboletas que acabaram de sair do casulo!

Histórias infantis no Spotify

Um podcast feito para crianças curiosas… e adultos também! Entre nessa aventura com o Thiago e a Anne para descobrir como as coisas funcionam de uma forma científica e divertida!

Era uma vez um Podcast foi feito para crianças com imaginação fértil. Aqui são contadas histórias infantis de todos os tipos: desde clássicos contos de fadas , à fábulas de todos os lugares do mundo e também histórias originais.

E se… você ouvisse um podcast diferente, feito para crianças, por crianças, e que sempre trouxesse um tema novo a cada semana? Ajude Luiza, Bruno, Sr. & Sra. Leite, Tio Samuel e convidados especiais a contar histórias inspiradas em divertidas perguntas.

Este jogo eletrônico foi desenvolvido a fim de abordar a cultura do povo indígena Kaxinawá (ou Huni Kuin, como os próprios se denominam) e possibilitar uma experiência de intercâmbio de conhecimentos e memórias indígenas por meio da linguagem dos videogames. A proposta é de propiciar uma imersão no universo Huni Kuin, em que os jogadores possam entrar em contato com saberes indígenas – como os cantos, grafismos, histórias, mitos e rituais deste povo – possibilitando uma circulação destes conhecimentos por uma rede mais ampla de pessoas.

Os museus e galerias, em grande parte, já dispunham de propostas e estruturas para visitação online, mas agora ampliaram algumas dessas possibilidades. 

Aqui, disponibilizamos plataformas particulares das instituições e propostas que estão embarcadas no Google Culture and Arts. Por essa plataforma do Google, o visitante pode personalizar a vivência museológica de forma mais interativa, transitando por museus ou por recortes temáticos. O site ainda possibilita a criação de um itinerário por obras e também por momentos históricos, possibilitando um percurso mais imersivo por texto, obras fotográficas e vídeos.

Plataforma afro-brasileira de mapeamento e difusão de artistas negros. O projeto deseja ampliar e visibilizar a produção artística de autoria negra no Brasil, apresentando sua multiplicidade, seus inter-relacionamentos e sua abrangência. Um espaço de descoberta e ressignificação.

A Galeria Preta Online é um espaço criado para jovens artistas negros exporem suas obras. O objetivo é auxiliar no ensino de cultura afro-brasileira, advinda da diáspora africana, de forma mais contemporânea e próxima.

Plataforma do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro celebra os 65 anos de existência do espaço cultural com duas mostras de filmes. Para celebrar 65 anos do espaço cultural responsável pelo desenvolvimento diversas gerações de cinéfilos e cineastas, a Cinemateca do MAM amplia suas ações para o mundo digital e cria um canal online.

O Museu da Imigração promoverá lives, programa de podcast, oficina cultural e exposição virtual no período de de 01/07 a 31/07.

Reveja virtualmente a exposição comemorativa de 20 anos do Castelo Rá-Tim-Bum.

Aqui separamos diversas possibilidades para ampliação do repertório musical de nossos alunos e comunidade, contemplando desde festivais que vem ocorrendo especialmente em função das paralisações por conta do COVID-19 até aos canais oficiais de grupos e artistas que fizeram e/ou fazem parte do Oswald de Andrade, como o do ex-professor de Música do Ensino Fundamental II e Ensino Médio, Alex Buck, e do Grupo Barbatuques, que tem como integrante João Simão, nosso professor de Circo e Capoeira do Ensino Fundamental II e Ensino Médio.

Shows e Festivais

O Theatro São Pedro tem disponibilizado em seu canal de Youtube algumas recentes apresentações realizadas no teatro.

O Grupo Triii surgiu em 2008, com o encontro de três pessoas que têm três coisas em comum: a amizade, a identificação musical e a fascinação pelo universo infantil. Os shows do Triii reúnem músicas e brincadeiras, com um repertório autoral e da cultura popular brasileira, tendo a proposta de interagir com crianças e familiares pela música, de forma divertida e sempre muito criativa.

A plataforma conta com uma enorme diversidade de concertos abertos para exibição em meio a pandemia do COVID-19, entre elas, a obra Mozart, produzida pelo Teatro Le Fenice.

O festival de artes e performances contemporâneas, que ocorre em diversos espaços públicos e privados em Austin, Texas – EUA, decidiu não cancelar suas atividade e irá acontecer virtualmente de 24 a 26 de abril. O festival conta com uma extensa programação, com performances ao vivo, visitas a estúdios de arte, bate-papos, instalações, aulas de culinária, festas e também atividades para crianças. Vale a pena conferir a programação do festival!

Este sábado (18/07), a partir das 14h, o Festival de Ativação Urbana (FAU), que tem como objetivo unir música, arte e solidariedade ocupando cenários incríveis do Rio, sobe as encantadoras ladeiras de Santa Teresa, na região central da cidade, para mais uma live. Ao todo, serão 4 apresentações ao vivo, que serão transmitidas pelo canal no YouTube do projeto.

Canais oficiais de artistas e grupos

Grupo criado em 1997 e ensaia no Oswald desde seus primórdios, está ensinando ritmos e dando algumas dicas de música corporal. Por meio das mídias oficiais você pode ver e ouvir os integrantes do Barbatuques em vídeos curtos tocando diversos ritmos. O primeiro vídeo já está no ar e não esqueça de gravar o seu vídeo e marcar #emcasacombarbatuques.

Marcus Siqueira, compositor e instrumentista, nascido na cidade de Caratinga, Minas Gerais, atualmente reside na Itália. Marcus foi professor de Música de Ensino Fundamental II e Ensino Médio no Oswald de Andrade em duas oportunidades e atualmente exerce a profissão de professor e músico na Itália.

Suas composições têm sido tocadas por importantes intérpretes – tanto brasileiros como estrangeiros – em recitais e festivais de países como Brasil, Turquia, Colômbia, EUA, França, Portugal, Alemanha, Holanda, Espanha, Suíça, Inglaterra, Grécia e Itália.

Como docente, atuou na EMESP (Escola de Música de São Paulo), no Colégio Santa Cruz e no Colégio Oswald, onde desenvolveu um método próprio voltado à criação musical para crianças do Ensino Fundamental e Ensino Médio, respectivamente. Lecionou cursos de Ensino Superior em Música (EAD) e Licenciatura da Faculdade Cantareira, de 2014 a 2018. Além disso, entre 2015 e 2018, foi assessor de Música do Colégio Oswald. Atualmente, ministra cursos livres de música em um dos mais antigos e prestigiados conservatórios de música do mundo –  Conservatório de Música Giovan Battista Martini (1804), em Bolonha, na Itália.

Marcus Siqueira, durante o período da emergência ligada à disseminação da COVID-19, liberou o acesso gratuito do seu novo projeto de música – I feel sound –, que é uma experimentação de um novo sistema relaxamento.

Para acessar o projeto, basta inserir seu e-mail e criar uma senha. Pede-se apenas que, depois da vivência, cada ouvinte preencha um formulário para ajudá-lo a prosseguir com suas pesquisas musicais.

Diante dessa situação, nada melhor do que ouvir música para tentar aliviar as tensões que nos afligem ao longo dos dias.

Link:  https://www.marcussiqueira.com/ifeelsound

O maior programa sociocultural brasileiro, mantido pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo, suspendeu as aulas devido à pandemia de coronavírus. Para quem gosta de atrações culturais, a boa notícia é que uma série de ações tem acontecido nas redes sociais da organização, para que o conteúdo seja aproveitado por todos, em qualquer lugar, em qualquer momento, esse é o #ProjetoGuriemCasa.

Música e Educação.

O ECAI é um centro cultural em Brasília, que foi fundado em 2011 pelo maestro Alexandre Innecco e, desde então, tem desempenhado um papel importante na capital para a divulgação musical e artística.

No dia 04 de junho, quinta-feira, o canal fará uma live sobre a obra de Carmen Miranda, celebrando a “Grande Pequena Notável”, com participação de Tânia Garcia e Nancy Alves, às 20h, no Instagram do Na Ponta do Disco.

O Museu Afro Brasil também está no Spotify! Aproveite para conferir a playlist “Os sons do Museu Afro Brasil”, que celebra a musicalidade da cultura afro-brasileira, com sucessos de artistas como Gilberto Gil, Djonga e Luedji Luna.

Com o intuito de levar conforto à população por meio da música, a Sustenidos Organização Social de Cultura lançou a campanha #AbraUmaJanela no dia 21 de junho – Dia da Música. A Organização é responsável pela gestão do Festival Ethno Brazil, Som Na Estrada, Festival Imagine Brazil, MOVE (Musicians and Organizers Volunteer Exchange) e Projeto Guri nos polos do interior, litoral e Fundação CASA. As ações, gratuitas, estão disponíveis na página oficial da campanha abraumajanela.sustenidos.org.br.

Sesc Digital 

A plataforma online criada pelo Sesc disponibiliza extenso conteúdo de áudio, vídeo, imagem e publicações que fazem parte do acervo da instituição. Dividida em diferentes temáticas, vale a pena navegar pelo espaço digital e se deparar com uma variedade de shows, filmes, programas e atividades. Abaixo listamos alguns destaques da plataforma.

Artes performáticas

A série de encontros que fizeram parte da exposição Terra Comunal – Marina Abramović + MAI, que aconteceu em 2015, no Sesc Pompeia, está disponível na plataforma da instituição. Durante os encontros, Marina fala sobre arte, performance e outros temas relacionados, apresentando registros de suas performances e de outros artistas.

Circo

Dirigido por Daniela Cucchiarelli, o documentário investiga a história do circo, diferencia os conceitos tradicional e contemporâneo, analisa a formação dos artistas e mostra vertentes distintas, levantando a questão do risco inerente ao ofício e também da figura do palhaço. A falta de incentivo na forma de políticas públicas voltadas à arte circense é outro ponto abordado no documentário. 

Disco

Primeiro CD solo da cantora paulistana, inspirado em trechos do livro Macunaíma: o herói sem nenhum caráter, de Mário de Andrade, conta com um importante time de participações: Tom Zé, Moreno Veloso, Arrigo Barnabé, Dante Ozzetti, Benjamin Taubkin, Siba e a Fuloresta e Buguinha. Cerca de 60 músicos participam do disco e conferem à obra a variedade que o tema sugere, com sonoridades que vão do regional à vanguarda. 

No disco Rei Vadio, o cantor e compositor paulistano Romulo Fróes homenageia Nelson Cavaquinho (1911-1986). O registro evidencia toda força da “beleza estranha” que marca a obra do artista carioca. Participação de Kiko Dinucci, Ná Ozzetti, Criolo, Rodrigo Campos, Marcelo Cabral e Thiago França. 

Espetáculos

O espetáculo tem coreografia de João Saldanha e é desenvolvido com base nos movimentos das aves. Foi apresentado em 2013, na Bienal Sesc de Dança, em Santos.  

Terra relaciona-se ao universo indígena e finaliza uma trilogia com a mesma temática. O estado de esquecimento e abandono em que se encontram as nações indígenas do Brasil mobilizou a criação desta peça coreográfica, trazendo à tona a discussão sobre o respeito ao direito de essas pessoas serem e existirem em seus territórios.

Esportes

Produzido pela Construir TV (Argentina) e com direção de Diego Lescano e Tomas Veloso, o documentário narra a história de Juan Carlos Tossi, conhecido como Cacho, que trabalha há mais de 40 anos como treinador das categorias mirins de futebol na periferia de Buenos Aires. O curta-documentário mostra o envolvimento e dedicação de Cacho Tossi com o time mirim chamado Sacachispas Futbol Club, que conta com meninos de variadas classes sociais. 

Programas

A série documental realizada pela SescTV apresenta 12 episódios sobre o Brasil contemporâneo e suas perspectivas de futuro. Com ela, o espectador pode refletir a respeito dos aspectos importantes da vida do país, sempre a partir de uma abordagem interdisciplinar e intercultural em temas como cidades, mídias, meio ambiente, movimentos sociais, indivíduos e comportamento, produção estética e política, economia, educação, universidade, identidade nacional e o Brasil no mundo.

Olhares Sobre o Brasil – Educação – O episódio Educação analisa questões políticas, além de relações culturais e sociais presentes no conceito de educação, bem como as dificuldades que o Brasil encontra em tornar qualificada e democrática a educação no país.

O episódio de estreia da série, dirigida por Kiko Goifman, traz fragmentos dos temas que serão retratados ao longo dos episódios: a vida da comunidade LGBT evangélica; as aventuras dos skatistas pela cidade e o universo dos seguidores da bodyart e dos cosplayers. Um caleidoscópio de histórias de jovens, seus ideais e paixões no espaço da metrópole contemporânea.

Shows

Considerado um dos melhores pianistas de jazz da sua geração pelo The New York Times e Downbeat Magazine, Kevin Hays apresentou-se ao lado do percussionista brasileiro Sergio Krakowski, que dedicou toda a sua vida ao pandeiro. Em primeira temporada no Brasil, os músicos interpretaram composições autorais, além de revisitarem obras de Beatles, Guinga, Caetano Veloso, entre outros.

Idealizado por Caio Leite e Leonardo Marques, o Black Mantra reúne um repertório autoral que emana forte influência do funk e da soul music dos anos 1970. Sem os clichês habituais, o grupo apresenta composições construídas com a simplicidade paradoxal e minimalista dos grooves dos gêneros.

Show realizado em meio a programação do Instrumental Sesc Brasil,  o multi-instrumentista, arranjador e compositor apresenta seu disco Roda Gigante, que reúne uma orquestra imaginária tocada em roda, na qual a dinâmica acontece sem estilos ou fórmulas prontas.

Sesc TV

Curtas-metragens premiados que dialogam com o público infantil e a criança interior de cada adulto, trazendo temas como ancestralidade, circo, cultura brasileira, identidade, infância, meio ambiente, velhice e muita imaginação.

Sesc Imagem e Som

O curso, dividido em 4 aulas, busca analisar estética e historicamente estas relações e suas implicações por meio da análise de obras, levando em conta os contextos – atividades relacionadas ao campo da cultura: política pública de cultura, diversidade, identidade, economia da cultura, economia criativa, dentre outras.

Nesse encontro, Luiz Carlos Oliveira Jr. e Sérgio Alpendre debatem essa forma de conhecimento propiciada pela cinefilia e pela crítica de cinema por meio de exemplos (de textos, de filmes) e de conceitos estéticos derivados dessas práticas culturais modernas.

Passagem de Som é um programa documental que narra os bastidores da criação musical, contando com depoimentos de compositores e músicos que participam do Instrumental Sesc Brasil.

Sesc Arte.

O Sesc São Paulo compôs um acervo de obras de arte, produzidas nos mais diversos suportes e técnicas, evidenciando artistas que se destacaram na cena paulistana e brasileira em diferentes períodos. O contato com esta coleção é efetivado diariamente por meio da convivência do público com as obras, distribuídas e instaladas nas unidades da capital, litoral e interior do estado. Preservar e difundir esse acervo corresponde a um dos múltiplos compromissos da instituição com a democratização do acesso à cultura e se concretiza pelo estímulo à sensibilidade e à aprendizagem através do olhar.

O curso percorre uma problemática até culminar na crítica de arte contemporânea aos dias de hoje e em sua reformulação de conceitos e noções sobre a arte dos “insanos”. Contextos – atividades relacionadas ao campo da cultura: política pública de cultura, diversidade, identidade, economia da cultura, economia criativa, dentre outras.

Nesta palestra, a pesquisadora Aracy A. Amaral compartilha com o público momentos importantes de sua longa trajetória – como quando foi curadora da Pinacoteca do Estado e do Museu de Arte Contemporânea da USP – e suas opiniões sobre atualidade nas artes plásticas no Brasil.

Palestra voltada para a análise de determinadas ideias de escritores, como Carolina Maria de Jesus, Paulo Lins, Ferréz e o coletivo de autores negros Quilombhoje Literatura. São autores que, por vezes, foram associados ou assumiram a identidade de escritores negros ou marginais-periféricos. É discutido o percurso histórico dessas duas estéticas, a relação com as lutas e organizações coletivas negras. Isso se conecta, recentemente, com o surgimento da ideia de literatura marginal-periférica, no começo dos anos 2000, tendo em comum o desejo do protagonismo social e literário, junto à passagem do papel de personagem a autor.

Cinema

O Sesc São Paulo apresenta, neste espaço exclusivo, uma série dedicada à sétima arte, o Cinema #EmCasaComSesc, com exibição de filmes em streaming e curadoria do CineSesc. Toda semana são disponibilizados quatro novos títulos, entre longas e documentários, nacionais e estrangeiros, clássicos e contemporâneos, para todas as idades, sempre a partir de quinta-feira, com acesso gratuito a qualquer hora do dia e sem necessidade de cadastro. Os filmes têm permanência temporária na Plataforma Sesc Digital; verifique as datas e se programe.

Apresentado por Daniel Munduruku, o podcast Mekukradjá enfoca as vivências e as preocupações sociais, culturais, políticas e artísticas dos vários povos indígenas do Brasil.

Podcast sobre produção e pesquisa de quadrinhos.

Primeira Web Rádio Indígena do Brasil, o podcast da rádio conta tanto com músicas indígenas quanto programas informativos e educativos, que levam para o público um pouco da realidade indígena no mundo.

Podcast de contos de fadas sobre grandes mulheres da história. Baseado no best-seller de mesmo nome, escrito por Elena Favilli e Francesca Cavallo.

Podcast, em inglês, sobre análise de obras de arte e cenário cultural.

Podcast feito pela redação da revista Bravo!, que traz uma discussão sobre livros, discos, artes visuais, teatro, dança, cinema, séries e política cultural.

O data_labe é um podcast experimental com pautas que afetam a favela da Maré, no Rio de Janeiro.

O Expresso Ilustrada, podcast de cultura da Folha, trata de filmes, discos, livros, séries de TV, peças de teatro e moda.

Podcast realizado pelo Itaú Cultural, que trata de questões gerais da arte e também de atividades do instituto.

O podcast se propõe a discutir, informar e disseminar conteúdos relacionados ao Hip-Hop.

Podcast dedicado a temas da Filosofia (mitologia, método, história da filosofia etc).

Podcast destinado a assuntos que afetam a periferia de São Paulo.

Podcast reconhecido internacionalmente como um equipamento de disseminação de assuntos culturais. 

Programa que tenta aproximar os temas da filosofia com temas da cultura.

Pretas na rede é um podcast feito por duas mulheres pretas que se propõem, de seu próprio ponto de vista, a falar sobre a vida, o universo e tudo o mais. 

Podcast com palestras do Instituto CPFL, que incluem o programa café filosófico.

Programa quinzenal de leitura e debate de literatura, oriundo da iniciativa de mesmo nome, que realiza curadoria, divulgação e edição de conteúdo produzido por mulheres desde 2015.

Podcast do Grupo de Estudos e Pesquisa “Intelectuais e Política nas Américas”, da Universidade Estadual Paulista, campus de Franca. O IPA é formado por alunos de graduação, mestrado e doutorado em História, além de Professores e Pesquisadores da Unesp, mas também de outras instituições.

Podcast sobre História, Literatura e Epidemias! Como foram as pandemias do passado? E como elas aparecem na Arte? De A Peste ao Ensaio sobre a Cegueira, a literatura oferece insights valiosos sobre o presente e, provavelmente, o futuro.

Podcast dedicado ao debate de notícias do cotidiano.

Podcast sobre as histórias fantásticas do folclore brasileiro. Produzido, apresentado e editado por Andriolli Costa, do site “O colecionador de Sacis”, o programa busca estabelecer este diálogo entre os saberes tradicionais, culturas ancestrais, mitos e lendas, com a cultura pop, a literatura, o cinema e o contemporâneo.

Toda semana, integrantes do Xadrez Verbal trazem as principais notícias da política internacional, com análises, críticas, convidados e espaço para debate.

Podcast dedicado ao registro e resgate de narrativas individuais, buscando mostrar que mesmo os atos humanos mais banais reservam enormes riquezas.

Podcast especializado em debates sobre estudos urbanos e (áudio)visuais, desenvolvido pelas equipes vinculadas ao Grupo de Estudos Etnográficos Urbanos (Geeur) e ao Laboratório de Ensino, Pesquisa e Produção em Antropologia da Imagem e do Som (Leppais), no Programa de Pós-graduação em Antropologia da Universidade Federal de Pelotas.

O laboratório está vocacionado para a análise das práticas de comunicação nos seus diferentes modelos e objetos – do digital ao analógico, do texto à imagem, passando pelo som, audiovisual e multimídia, até a análise de redes e tendências online, relacionadas com social media networks, pesquisas online e opiniões dos utilizadores, visualização da informação e Big Data.

Podcast sobre a ideia de “arte degenerada” e sua relação com a censura adotada por regimes autoritários.

A arte é um aspecto fundamental da expressão humana, estando diretamente ligada à evolução social da humanidade. A multiplicidade dos teatros negros mostra o quão importante são as mais diversas, e plurais, artes, dos diversos povos distribuídos pelo planeta. Em tempos de desvalorização dos artistas e de reverberações importantes de luta contra o racismo, este episódio é um incentivo à reflexão sobre cultura, arte, humanidade, sensibilidade e respeito às diferenças. Com a participação de Iasmin Alice, artista e graduanda em Artes Cênicas, na UFSJ.

Podcast que discute assuntos ligados a cultura Hip Hop, sociedade e política.

Bate-papo com artistas, pensadores e curadores que precisamos conhecer, além de importantes questionamentos e reflexões sobre a presença de negros e negras na cena artística brasileira.

A economista Gabriela Chaves, que utiliza letras dos Racionais MC’s para abordar a importância da educação financeira na periferia, é a entrevistada do quarto episódio do programa. “O dinheiro é um problema para a comunidade negra e para as comunidades vulnerabilizadas. O dinheiro é um estranhamento não só na escassez, mas na abundância também”, segundo Chaves.

Podcast Infantil:

Histórias infantis para estimular a criatividade e imaginação dos pequenos.

Vozes mágicas contam histórias protagonizadas pelos personagens mais queridos: um simpático patinho que chamavam de feio, uma linda princesa que cai em um sono eterno, um soldadinho apaixonado feito de chumbo e um marujo atrevido chamado Simbad. Venha se envolver nessas histórias fantásticas! Aí Vai Uma História é um original Spotify.


Neste cenário de isolamento, listamos diversas possibilidades de apreciação audiovisual online que estão surgindo ou com acesso temporariamente  liberado às suas produções. Confira!

O VideoCamp é uma plataforma online e gratuita que possibilita maior alcance e número de espectadores a produções audiovisuais em busca de impacto e transformação.

Festival internacionalmente reconhecido como um dos maiores difusores de documentários do mundo, neste ano, o É Tudo Verdade está com sua mostra inteiramente online e em diversos sites parceiros.

Página da plataforma Looke destinada ao catálogo do Festival In-Edit Brasil, realizado anualmente em São Paulo e dedicado a documentários musicais.

O OIFF é resultado do Programa Internacional da UNESCO para o Desenvolvimento da Comunicação (IPDC). Por meio desta página, podemos ver os resultados desta iniciativa no decorrer dos anos.

O site Porta Curtas é uma das mais antigas plataformas de difusão audiovisual, com ênfase em produções audiovisuais de curta-metragens nacionais. Vale conferir!

Patrocinado pela Embaixada da França no Brasil e pela Essilor/Varilux, o Festival Varilux em Casa disponibiliza online, até dia 27 de agosto, 50 obras, entre comédias, dramas e infantojuvenis que já passaram pela iniciativa.

Sábado, 25 de julho, às 19h, Felipe e Ana Clara  farão uma live beneficente no projeto @triangulo_festajulinasolidaria, tocando clássicos da cultura junina para aquecer nossos corpos quarentenados. Ação social e cultural. 100% do valor arrecadado será revertido em mantimentos para famílias das zonas Leste e Norte de SP. Preparem seus pinhões, milhos e quentões! Acesse o link da rifa para participar! rifa.link/kw2.

Para manter a tradição, o ‘’Arraiá da Praça CEU’’ será realizado na versão online no próximo sábado, 18 de julho. Como a festa não aconteceu de forma presencial, devido ao protocolo de contenção da covid-19, a Fundação Cultural Alfredo Ferreira Lage (Funalfa) e a Associação Cultural Arte e Vida (Acav) prepararam uma programação especial para a data, a partir das 16h. A live terá brincadeiras, dança, música, contação de histórias e muito mais. A transmissão ao vivo será feita pelo Instagram da Praça CEU.

Lives sobre pesquisa científica

Live do Atila Iamarino que conta com participação do Dr. Drauzio Varella. Os dois fazem uma atualização sobre a epidemia de coronavírus, discutindo temas como o custo do atendimento médico para COVID-19 em hospitais particulares no Brasil e fora do país e sobre como o SUS está salvando as vidas dos brasileiros.

O Dr. Bruno Caramelli, cardiologista e professor da Faculdade de Medicina da USP, esteve no Canal USP do YouTube, com Luiza Caires, para explicar essa imagem e estudos mais recentes sobre problemas cardiológicos associados ao uso da cloroquina e hidroxicloroquina na Covid-19, além de não haver evidência sobre benefícios.

O grupo de pesquisa Competência e Mediação em Ambientes de Informação (CMAI), em parceria com a Biblioteca de Ciências Humanas da UFC, convidou todos e todas para uma tarde de diálogo com representantes da ABECIN, ANCIB e FEBAB, com transmissão ao vivo pelo canal da BCH no YouTube e gravação simultânea para o Plurissaberes Podcast. Com a participação de Martha Suzana Cabral Nunes (presidente da ABECIN), Oswaldo Francisco de Almeida Júnior (presidente da ANCIB) e Adriana Cybele Ferrari (presidente da FEBAB). Mediação: CMAI.

O Café Filosófico, edição ‘’Fica em Casa’’, recebeu o biólogo e doutor em microbiologia Atila Iamarino para discutir sobre ‘’A Ciência da Covid -19’’.

O Grupo de Cultura e Estudos em Turismo da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) lançou projeto de lives no Instagram com o intuito de motivar a comunidade universitária a dar continuidade aos grupos de pesquisa, por meio de atividades remotas, neste período de isolamento social. As lives, que discutem a relevância dos grupos de pesquisa para a ciência, acontecem toda quinta-feira, às 21h, no perfil do grupo no Instagram.

Uma iniciativa do curso de Licenciatura em Física e do grupo de pesquisa sobre divulgação científica do Câmpus Araranguá do IFSC vai promover uma série de lives sobre temas científicos, com a participação de estudantes e professores do curso. O objetivo é promover a interação entre os alunos do IFSC com a comunidade neste momento de isolamento social, além de dar visibilidade aos projetos que seguem sendo desenvolvidos pelos pesquisadores. As transmissões ao vivo serão feitas toda quinta-feira, às 19h, até 02 de julho. A live será transmitida pelo Instagram do projeto IFScience e depois será disponibilizada no canal do grupo no YouTube.

Canal de vídeos da maior editora do pensamento crítico da língua portuguesa, com catálogo consistente, reconhecido por sua qualidade e clareza de opções editoriais. Aqui você encontra conteúdos exclusivos dedicados a funcionar tanto como material de apoio ao estudo e à leitura quanto como forma de atualizar e estabelecer pontes entre temáticas de nossas publicações e questões e pautas da atualidade. Com ao menos dois novos vídeos por semana, o canal abriga uma grande variedade de formatos de vídeos, desde colunistas fixos, WebCursos e entrevistas, passando por drops e séries temáticas com nossos autores, até gravações de debates, palestras e eventos promovidos pela editora.

Lives sobre Educação

Esta é a continuidade virtual da revista Cadernos do Terceiro Mundo, que circulou nas Américas, Europa, África e Ásia, entre os anos de 1975 e 2005. O espaço multimídia, dinâmico e interativo, foi criado para promover debates sobre os principais problemas do Brasil e demais países do Sul global.

Fundada em 19 de outubro de 1961, na cidade de Marília, em São Paulo, a Associação Nacional de História é a entidade científica que tem o objetivo de congregar os historiadores, professores e estudantes de pós-graduação da área do conhecimento histórico. Em Pernambuco, a Associação Nacional de História vem atuando através de sua Seção Regional. Professores e pesquisadores das mais diferentes instituições vêm trabalhando para o fortalecimento da produção historiográfica local e regional.

Veiculado pela Rádio UFMG (104,5), “As Quatro Estações” é um programa criado pelo Grupo de Pesquisa História e Natureza, coordenado pela professora Regina Horta Duarte, do Departamento de História da Universidade Federal de Minas Gerais, realizando lives voltadas à questão Educacional no momento da pandemia de COVID-19.

Nesta live, a conversa é com André Gravatá, poeta, educador e parceiro da SM Educação, e com Isabela Noronha, jornalista e escritora do livro “Adeus é para os super-heróis”, vencedor da 9ª edição do prêmio Barco a Vapor. Com o tema “A literatura não para”, eles debatem a importância da literatura nesse momento de isolamento devido a pandemia. Transmissão no dia 04/06, às 19h.

Lives sobre Imagem e Som

O Museu da Imagem e do Som convida o Museu da República para um debate sobre história, pesquisa e acervos, a live “Jardim singular – um Palácio de histórias no Acervo do MIS” conta com a participação de Andre Andion Angulo (Museólogo do Museu da República) e Mônica Klemz (Pesquisadora e diretora de cinema), com mediação do museólogo e chefe da Sala de Pesquisa do MIS, Rodrigo Manoel.

Série de debates online sobre questões da área de preservação audiovisual. O tema tem estado em evidência, infelizmente por razões trágicas: a grave crise que atinge a Cinemateca Brasileira, o maior arquivo audiovisual brasileiro e um dos maiores da América Latina. Esse será o assunto de nosso primeiro encontro: “O que significa a crise na Cinemateca Brasileira? Qual a importância de se preservar o patrimônio audiovisual?”. Contaremos com a participação de Kleber Mendonça Filho, cineasta e programador de cinema, e Larissa de Sá, gestora governamental, com mediação de Débora Butruce, preservadora audiovisual e vice-presidente da ABPA.

As convidadas Adriana Fresquet e Marta Guedes fazem um debate sobre “Educação, cinema e outras telas no isolamento: para quem?”.

Lives sobre Artes

Exibe conteúdos sobre arte, música, documentários e filmes.

As seis instituições públicas de ensino superior do Estado de Goiás (Universidade Federal de Goiás, Universidade Estadual de Goiás, Universidade Federal de Catalão, Universidade Federal de Jataí, Instituto Federal de Goiás e Instituto Federal Goiano) uniram-se para realizar o simpósio “Ciência, Arte e Educação em tempos de pandemia”. O objetivo geral foi discutir e entender as dimensões, impactos e consequências da crise singular que atravessamos.

A professora do curso de Cinema e Audiovisual e de Psicologia da Universidade de Fortaleza, Eliane Diógenes, bate um papo exclusivo sobre a força da arte neste momento único em nossa história. A mediação fica por conta de Brunna Veloso, apresentadora do SeLink e aluna de jornalismo da Universidade de Fortaleza.

O Museu de Arte Moderna abriga mais de 200.000 obras de arte, compostas por pinturas e esculturas, desenhos e gravuras, fotografias, arquitetura, design, mídia e performance.

Lives sobre Cidade+Arte+Coletivos+Periferia

Durante o período de quarentena, o equipamento cultural Abí Axé Egbé, da Universidade Federal de Alagoas, instalado no Campus do Sertão, também está realizando lives com temas sempre voltados à cultura afro e combate ao racismo. Trata-se do lançamento do projeto Abí Axé em casa, que tem encontros virtuais todas as quintas-feiras, às 19h.

Projeto do Núcleo de Cultura e Participação do Instituto Tomie Ohtake, com bate-papos com artistas do Brasil, Guiné-Bissau e Espanha. Dar destaque para o trabalho dos artistas negros nunca foi tão importante quanto agora, quando o mundo vive um momento intenso de luta contra o racismo. Com mediação da educadora Jordana Braz, as lives são transmitidas no perfil do Instagram do Instituto Tomie Ohtake, às quintas-feiras, às 16h, entre os dias 18 de junho e 02 de julho.

O projeto é uma iniciativa voltada para a diversidade, que irá ocupar o perfil do Clube para compartilhar histórias, falar do mercado e do mundo, dentro do movimento ‘’Vozes Negras Importam’’. As lives acontecem no perfil do Clube de Criação no Instagram, a partir das 19h.

O canal é uma iniciativa do Ministério Público do Trabalho/Coordigualdade, em parceria com a OIT e o apoio da ONU Mulheres. O foco é a população negra, afro -religiosa e quilombola, suas histórias, cultura, tradição e religiosidade. Denuncia o racismo, o preconceito, a intolerância e a discriminação. Parte do material foi construído a partir de depoimentos e atividades realizadas durante o Simpósio promovido pelo MPT e a ESMPU sobre o preconceito, o racismo, a intolerância e a discriminação que aflige este segmento populacional. O Canal procura estar presente em eventos de relevância para a causa que veicula e defende: prevenção e enfrentamento ao preconceito, ao racismo, à intolerância e à discriminação que vitimiza a população negra, afrorreligiosa e quilombola no Brasil.

Canal do professor de filosofia Paulo Cruz. A live foi realizada para um debate em decorrência da morte de George Floyd, Ahmaud Arbery e João Pedro. ‘’É preciso que conservadores não pensem que tudo é ‘mimimi’ ou ‘coisa de comunista’. Racismo existe e deve ser combatido.’’

A TV UNEB – Seabra, por meio do projeto de extensão Liberta Preta, apresentou a live intitulada “Mulheres Negras em tempos de quarentena: pesquisa e (re)existências”.

No dia 19 de junho, Dia do Cinema Nacional, a live no canal da Mídia Ninja no YouTube procurou responder a pergunta: onde estão as mulheres negras no Cinema Nacional? Confira o bate-papo com, Sabrina Fidalgo, Aline Correa, Renata Martins, Carmen Luz, Aretha Sadick, Alice Marcone, Camila de Moraes e Juliana Vicente.

Criado com o objetivo de proporcionar maior visibilidade para a arte na periferia, o Marginalmente é um projeto que vem desmistificar o estereótipo de que “favela” é sinônimo de criminalidade. Por meio de uma plataforma de comunicação, semanalmente são veiculadas matérias e entrevistas sobre artistas, eventos e tudo relacionado à arte das comunidades da zona sul e leste.

A iniciativa começou em Janeiro de 2016, quando surgiu a necessidade de ”compartilhar com o mundo’’ as movimentações culturais e os grandes talentos, que contribuem na formação da cultura de quebrada e nos inspira a seguir em frente. É um coletivo de mídia independente, localizado no Grajaú Z/S – SP, formado por 8 integrantes, com a finalidade de evidenciar e enaltecer os talentos periféricos, utilizando os recursos do audiovisual, design e toda forma de arte pertinente para que isso seja possível.

A colunista Vilma Piedade traz o tema “Escritas Negras Contemporâneas’’ e convida os escritores: Eliana Alves Cruz, jornalista e escritora, autora dos premiados romances Água de barrela e O Crime do Cais do Valongo, acabou de lançar seu terceiro romance – Nada Digo de Ti, Que Em Ti não Veja; Renato Noguera, doutorado em Filosofia, professor na Pós-graduação em Filosofia da UFRRJ, é ensaísta, dramaturgo, autor de literatura infantil e roteirista de animação; Ana Paula Campos, educadora, escritora, contadora de histórias pretas, militante no Movimento Negro e integrante dos coletivos NEGÊDI/IFRN e Quilombo da Ciência e Ainá Osunkumbi – AINÁ OSUNKUMBI, cantora e compositora, integrante do Centro Cultural Orunmila (Performance Musical).